Quilt’s de memórias

Meu primeiro quilt
Quilt mágico!
28/03/2016
Água neles!!
24/04/2016

Por que, ou por quem, você faz?

Oi bonita!

 Sempre me questiono sobre o porquê do Patchwork e do Quilting serem das artes manuais uma das mais envolventes e contagiantes.
 Com efeitos terapêuticos poderosos, quem começa a brincar acaba sempre por se apaixonar e até curar mazelas da mente e da alma.
Impossível não afirmar que fazer patchwork é um excelente condutor de emoção e energia.
 Talvez seja apenas reflexo e as manifestações do “Eu interior” sobre o indizível feminino, não sei, de fato não sei.
 O que realmente sei e sinto, é que quanto mais me aprofundo neste universo feito a mão, maior, e mais bonito é o mundo que vou me inserindo.
Mundo este feito de pura e doce energia, retalhos, sonhos, linhas, mulheres e amigas!

Tem sido assim comigo, há 14 anos, desde que o Patchwork entrou na minha vida!

Certamente esta magia se dá também pelos encontros, sejam estes virtuais ou pessoais, não importa, o que importa é que a cada dia que passa me encanto mais e mais por esta arte e pelas pessoas que fazem dela um sucesso absurdo e viciante!

 

Blocos confeccionados e trocados entre amigas da comunidade "Arte&Patch"

Blocos confeccionados e trocados entre amigas da comunidade “Arte&Patch”

 

Antigamente, mais precisamente há 150 anos, no século 19, não havia telefone, internet, carros ou sequer aviões.

A distancia era algo real, palpável.

Pais se despediam de seus filhos, mães choravam a ausência dos filhos e filhas sem ter a certeza de que reencontros seriam possíveis. 

Amigos e parentes que partiam em busca de sonhos e promessas numa nova terra.

Para os homens, desbravar novas terras e oportunidades era mais fácil.

O brilho e a certeza de um futuro melhor, supria a falta e a necessidade da família que ficava para trás.

Mas para nós mulheres surgia no horizonte a submissão, a tristeza e a saudade… 

Saudades estas sempre recheadas de lembranças da família, dos amigos e até de amores perdidos.

E foi com este sentimento que algumas mulheres descobriram algo de concreto para abrandar a solidão em terras distantes e hostis…

Assim nasceram os primeiros Quilts de Amizade ou Quilts de Memória que logo se espalharam por todo o continente americano.

Estes Quilts eram formados por blocos inscritos com dedicatórias e poemas, estampados com fotos, pinturas e pequenos desenhos. Os símbolos de benevolência, alegria, fertilidade, amor e amizade também ganhavam espaço e força nestes Quilts.

Ao representar ocasiões especiais, festivas ou não, teciam-se Quilts de aniversários, casamentos, nascimentos, despedidas e até de funerais. 

Algumas inscrições eram feitas com tintas permanentes, outras bordadas, com aplicações e até com impressões rudimentares.

Enfim…

Quilts de amizade foram tecidos sob grandes e fortes emoções.

E para você, como é bonita? Porque, ou por quem, você quilta?

Bjobjo 

Andreza Boal

Bracelete Quilting Design Exclusivo Andreza Boal

Bracelete Quilting Design Exclusivo Andreza Boal

 

“Meu filho me ensinou uma lição sobre quiltar”.


Quando ele tinha 20 anos, Dan me deu um vale presente que poderia ser trocado por aulas de como Quiltar em uma loja especializada em Patchwork. Fui lá e aprendi muito. Com minhas habilidades recém adquiridas, eu ofereci ao meu filho que poderia remendar a pequena manta em pedaços que eu havia lhe feito quando era criança e que ele arrastava por todos os lados desde os cinco anos de idade. Feita de retalhos de um grupo de senhoras do Texas, aquela manta tinha suportado um uso contínuo e inúmeras lavagens… Mas estava aos pedaços.

Mas Danny, meu filho; tirou rapidamente a manta das minhas mãos e abraçou-a junto ao peito rejeitando veementemente minha oferta de torná-la “tão boa quanto nova”.

“Você não entende” – disse-me Danny – “Nada que você fizer a essa manta a tornará melhor do que ela já é. Minha vida toda está nessa manta.”.

Então ele relembrou-se de inúmeras memórias de infância… Quando a usou como tenda no quintal com os amigos, de como se cobriu com o cachorro e ambos se aqueceram em dias ruins, ou quando esteve doente e cobriu-se com ela para sentir-se melhor…

Dan mantém essa manta guardada – não para uso – só para tê-la como recordação.

“Eu só posso esperar que as colchas que faço, sejam amadas até ficarem em pedaços.”

Kitty Sorgen – Newburry Park – California – USA
Do livro “Relax and Quilt”
Traduzido por: Sonia Cazarim

Andreza Boal
Andreza Boal
Idealizadora da primeira grife focada em moda para costureiras e autora do blog tecendo sonhos a designer de moda e arte-educadora Andreza Boal, tem trabalhos e textos publicados em revistas do segmento têxtil e há 16 anos busca através das cores, desenhos, linhas, agulhas, tecidos, palavras e texturas, expressar e aprimorar sua criatividade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

//]]>